REVELAÇÃO

Pois metade de mim é partida
a outra metade é saudade.


Oswaldo Montenegro

quarta-feira, outubro 03, 2012

Desatino amargurado


Eu vi uma lágrima passando
Deverás ia em silêncio
E não quis dizer-me de onde vinha
E nem para onde se dirigia
Logo mais passou por mim o sorriso
E sua alegria havia desaparecido
E diz-me que a lágrima ia só
Porque o brilho dos olhos tinha perdido
Então quis saber do sorriso
O porquê do seu riso contrito
Ele disse-me ter visto no espelho
Pálido e exposto
A dor no olhar refletido
Do coração que estava em desgosto
Desatino amargurado de uma alma que cala
E deságua o sofrimento em lágrima.

3 comentários:

Paulo Francisco disse...

Uau! fiquei aqui em desatino com a construção desta poesia.
Um beijo grande

manuela barroso disse...

Agradecendo a sua simpática visita
quero deixar expressa a minha admiração pela linda poesia e por este blog tão festivo e belo.
Beijinhos

Felisberto Junior disse...

Olá!Boa noite!
Tudo bem por aqui?
Saudades!
Lindos versos
... o caminho sem volta, do luar, da paixão, da honestidade, dos sentimentos... A estrada sem volta do viciante desatino.Caminho pelo qual passou a lágrima...
Obrigado pelo carinho da visita!
Boa quinta feira!
Beijos


O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distância. (May Lu)

flores