REVELAÇÃO

Pois metade de mim é partida
a outra metade é saudade.


Oswaldo Montenegro

sábado, outubro 06, 2012

Banhei-me em dilúvio d'água


 Dos escombros da minha loucura, renasci
Rasgou-se o céu em nuvens 
E banhei-me em dilúvio d'água
E foi sob a chuva fria 
Que descortinei minhas retinas...
Irrompi o nevoeiro que me encobria à alma
Sou ilha banhada de águas límpidas
Despida da roupagem do passado
Vislumbro novas matizes
E sobre a placidez cristalina
Mergulho o meu olhar...
 Nos recônditos encarcerados do meu inconsciente
A solidão é a primeira a escorrer
Traçando trilhas na face do tempo
Limpando as lembranças já mofadas
Quero manchar de cores primaveris esse aguaceiro
Estou preparada para gritar de peito aberto
E ser flor na imensidão destes mares
Quero dançar sob a lua e as estrelas
Fazendo a viagem pelos labirintos
Da mulher que há em mim.

3 comentários:

Enigmático Byjotan disse...

Redescobrir-se, reciclar-se, renascer numa nova mulher, como um túmulo de vida,um casulo.Parabéns! Lindo post.Beijo grande de leitor.:- BYJOTAN.

edumanes disse...

As cores de tua vida
Muito lindas elas estão
Boa tarde minha amiga
Não te percas na escuridão!

Não mereces ficar perdida
Mereces um esconderijo
Onde estejas bem escondida
Com o teus romantismo!

Bom fim de semana para ti,
amiga may lu,
beijinho
Eduardo.



VILMA PIVA disse...

Sensivel poesia! Tocantes versos de renascimento interior,!
Parabéns por tua marailhosa poesia!
Beijos!


O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distância. (May Lu)

flores