REVELAÇÃO

Pois metade de mim é partida
a outra metade é saudade.


Oswaldo Montenegro

terça-feira, maio 01, 2012

A poesia não morreu, sou eu


Nos sonhos de terra molhada
Nas noites enluaradas
Um mundo de palavras embrulhadas
De todas as magias sonhadas 
Com todas as cores usadas
É onde tudo acontece
E a beleza da vida revela
Mostrando da alma a pureza
Assediando o sentimento na toca
Das mãos que sangram em suplício
Invadindo o coração do poeta
Talvez seja só um profeta
A dizer que a poesia não morreu
São tudo partes de mim, sou eu.

2 comentários:

edumanes disse...

Sonhos e terra molhada
Beleza que enlouquece
Feliz numa embrulhada
Quando o corpo aquece!

Numa noite encantada
pinceladas de beleza
No corpo quente encontra
a verdade da pureza.

O sorriso nasce na boca
Lábios de mel, beijar
Quando a vontade ser louca
Não me deixes, triste aqui ficar!

Bom feriado, neste dia Mundial do trabalhador
Sê feliz toda a vida
Se eu pudesse te daria uma flor!
Te desejo muita paz minha amiga!

Um beijo
Eduardo.

Simone MartinS2 disse...

"Das mãos que sangram em suplício
Invadindo o coração do poeta
Talvez seja só um profeta
A dizer que a poesia não morreu
São tudo partes de mim, sou eu."

Esse trecho muito me emocionou,
lindo demais. Sabe a poesia é tida
como a nossa canção, nossa melodia,
nossa vida! Adorei!
Abraços carinhosos


O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distância. (May Lu)

flores