REVELAÇÃO

Pois metade de mim é partida
a outra metade é saudade.


Oswaldo Montenegro

domingo, fevereiro 26, 2012

Ventos da meia-noite


Sou só mais um corpo 
Cansado e entristecido
Cheio de cacos no peito
A tristeza vertendo lágrimas
Chora a dor de sua ausência
sufocada
Pelos dias que não passam
São ventos da meia-noite
Dentro da escuridão
Fria e escura noite
 Que transforma em cinzas 
Meu coração
Imploro por libertação! 
Deixe-me seguir...
Em paz...
Sem o rosto da saudade
Sussurrando para mim 
Nessa perturbadora solidão.


Nenhum comentário:


O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distância. (May Lu)

flores