REVELAÇÃO

"Hoje,

Caminho de mãos dadas

Com a felicidade.

E uma enorme vontade de viver...

Sem partida, nem chegada.

Somente uma viagem..."

May Lu

"Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama,

Acorda e põe sua roupa de viver."

Clarice Lispector

"Porque metade de mim é partida

Mas a outra metade é saudade"

Oswaldo Montenegro

cultivando flores

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."
O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distancia. (May Lu)

domingo, 25 de novembro de 2012

(Eu) Fusão de fantasias


Ela é margarida colorida
Mas na intensidade é rosa.
Sim, essa sou eu.
Despindo-se da essência na mulher.
A que tem a fortaleza no coração
E a fragilidade do mesmo.
Aquela que é mais sonho que realidade.
E porque não? 
Sim...
Sou devaneio, imaginação, poesia.
Sou o livro aberto... 
A história que se entremeia de emoção.
Nas páginas escritas com afeição.
Não sou a prudente, a que exala praticidade.
Sou variedade conforme a necessidade...
Não me acerto com a exatidão.
Mas sim com a sensibilidade do coração.
Sou aquela que não aguenta se segurar por dentro.
Sou a que machuca
A que chora
Que dói e sangra as dores do mundo.
Filha da entardecida e doce melancolia.
Também sou do tipo: romântica incurável
A quase sempre vulnerável...
Na mutável dualidade de uma união.
Igualmente sou presença, companheira... 
Nas horas certas e incertas.
Não sei caminhar em linha reta, sem apego.
Meu caminho é assim: Imensidão...
Olhos que volteiam ao redor, carregados de afeição.
Demasiadamente ternura, crença, pulsação.
Carrego um espírito bordado à mão.
Onde os sentimentos acontecem
Sem necessidade de pretexto ou razão.
Sou a subjetividade da fé sem a teoria da religião.
A que crê na infinidade de Deus, 
Do caminho e da vida.
Sem complexidade ou explicação.
Todavia, indiscutivelmente concebida.
E eu sou simples assim... A palma da mão.