REVELAÇÃO

"Hoje,

Caminho de mãos dadas

Com a felicidade.

E uma enorme vontade de viver...

Sem partida, nem chegada.

Somente uma viagem..."

May Lu

"Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama,

Acorda e põe sua roupa de viver."

Clarice Lispector

"Porque metade de mim é partida

Mas a outra metade é saudade"

Oswaldo Montenegro

cultivando flores

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."
O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distancia. (May Lu)

segunda-feira, 30 de abril de 2012

O poder das palavras


Existem momentos desnecessários de palavras
Existem outros tantos em que se fazem necessárias
Palavras que são poemas de promessas
Que nos beijam e nos selam
Já vêm prontas, vem com vida.
São palavras mágicas
Palavras que não viram pó
Que não caem no esquecimento
Palavras que permanecem
Palavras que o vento não leva
Entretanto há palavras que nos ferem
Com o poder de um punhal
São cortantes, são agudas
Afiadas e mortais
Transpassa-nos incisivas o coração
Ainda há aquelas mascaradas da verdade
Que arrastam-se dissimuladas
Frias e calculistas
São descapacitadas de emoção
Tem o poder da destruição
E por ultimo têm aquelas que não dizem nada
São ocas e vazias
Não trazem nada... Não edificam
São apenas palavras ao vento
Portanto,
Devemos ter cuidado com as palavras
Devemos cultivá-las em solo fecundo
Vistos são elas uma semente
Que se chama pensamento.

Anseios de um desejo


Espero-te nos desertos das areias
Nas dunas secas dos meus sonhos
Onde somente o vento sopra
Já cansado de esperar
 Espero-te além dos meus desejos
Só resta-me o calor dos meus anseios
Quando o coração chega à boca
Em sentir seu hálito quente
De beijar-me mansamente
Espero-te no fogo impaciente
Desse coração apaixonado
Que bate em ritmo galopante
Desse desejo de amar
Sem vulgaridade
Sem pudor
Somente doar-me por completo
No repouso dos teus braços.


Cativa do vento


Conservo os cabelos presos na nuca
À espera de um afago
Da brisa fresca que me envolve
Do Vento que me abraça
Descendo levemente pelas costas
Palpitando-me um desejo de estar cativa
De me sentir amada
Como ocorre aos braços de um amante
Num gesto lento
vagarosamente
Desnuda-me o dorso
Com mansidão se arrasta sobre mim
Em movimentos ondulantes
Vagueando na eternidade desse instante
Na sensualidade do momento
Dessa paixão que nos enlaça
Em poesia nos satisfazemos
Não há nada a se dizer
Não quero quebrar a magia
Sou uma ilha deserta
Onde as ilusões são os únicos ocupantes.