REVELAÇÃO

"Hoje,

Caminho de mãos dadas

Com a felicidade.

E uma enorme vontade de viver...

Sem partida, nem chegada.

Somente uma viagem..."

May Lu

"Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama,

Acorda e põe sua roupa de viver."

Clarice Lispector

"Porque metade de mim é partida

Mas a outra metade é saudade"

Oswaldo Montenegro

cultivando flores

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."
O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distancia. (May Lu)

sábado, 3 de março de 2012

Alma do mundo


Sob o leito do rio seco
Os corvos lhe abrem fendas
No vale de lágrimas
A flor se negou a brotar
Não há caminho
Para a água no chão
Desloca o vento
Sopra o fogo
Na alma seca do mundo
Onde a chuva não cai
Não há vida a ser sentida
Nada suaviza a visão
Na dura camada
Do âmago do sertão.


Amanheceu em mim


O vento destelhou as cortinas
Espalhou a poeira
Nessa nebulosa existe uma estrela
Atrás das paredes da noite
É dia de sol em minhas retinas 
Posso sentir a luz outra vez
Cheia de bem-me-quer
Veio me trazer um bom dia!
Amanheceu em mim...
Descubro finalmente
Para onde vou
Sou água que desaguá no mar. 

Pétalas que se juntaram


Não sei te ceder tudo que tenho
Preciso deixar o silêncio
Cair sobre mim como um manto
Para doar-te de alma livre
Em côncavo
No berço da criação
De olhos que ficam dentro da órbita
No mais recôndito de mim
Que somente a ti permito descobrir
Harmonia exata
Refletida à mim
Do meu (eu) em ti
Retorno ao ninho
Completando a imagem
De onde não posso sair
Sem que de ti me separe 
Fazendo-me assim em pedaços
Se tudo sou eu
Pétalas que se juntaram
No fruto colhido.



Michael Jackson


Quem vai dançar na pista de volta?
Era apenas um garoto
Onde tudo aconteceu muito depressa
De olhos sonhadores
Ele embalou o mundo
Roubou a cena
O palco
Os corações
Foi e será único
Imitado... adorado
idolatrado
Cercado de amigos
De fãs
Da família
Mas sempre esteve sozinho
Um dia passou por aqui
Iluminou... ensinou
encantou
Mas teve que partir
E nem disse adeus
Porém distante
Estará sempre aqui
Deixou um legado
De raça
De meiguice
De saudades
Foi inovador... criador 
Meteoro luminoso
Entrou pela porta dos céus
E nos marcou para sempre.
"I'm gonna make a change
On once in my life
It's gonna feel real good
Gonna make a difference
Gonna make it right."




A seiva da vida


Os narcisos se curvam dos ramos
Para beberem a seiva da vida
Suas flores brancas e amarelas
Enfeitam a linda donzela
Refletida no espelho d'água
Mergulhada no frescor do poço
De água transparente e fecunda
Água que lava e purifica
&
 Suavemente evapora
Tornando-se nuvens de lágrimas
Que chora e molha
Retornando ao solo
De volta à nascente
Onde flui e jorra
Corre e escorre
Montanha abaixo
Dá vida ao poço
A moça se curva e bebe da seiva.


Sem borda


Estava cercado de nada
 Estava cercado de tudo
A sua volta não sentia nada
Por dentro sentia tudo
Sentia a brisa fresca do vento
Em leveza... beleza
Dentro da alma
Desintegrou do tempo
Para se encontrar por dentro
Com as suas variantes
Desde o velho ao mais novo
Entre idas e vindas
Inconstante como água
Mutável viaja no espaço
No vago dentro si
Do rosto... Da alma
Em fuga
Folha que voa
Que muda
Um pouco de tudo
Um pouco de nada
Invisível... Porém essência
Calor... aroma
Poço profundo
Sem borda
Não transborda
Fica lá 
aguardando
À revelação.

Ritmo frenético


Meus olhos só enxergam
O vermelho abrasivo
Enquanto ela volteia
No ritmo frenético da dança
Lambe com a saia 
Tudo a sua volta
Cobre tudo de carmesim
Rutilante... cintilante
Alma escarlate
Sangue purpúreo... Veia cigana
Lá vem Zorana
Cheia de trejeitos e requebros
Fera não domesticada
Atiça fogo por onde passa
Lança rajadas de paixão
Arrebatando a todos 
Enquanto baila.

A nuvem foi ao baile



A nuvem decidiu ir ao baile
Um baile à fantasia
Era uma madrugada fria
 Toda feita de mistérios
 Ela foi de carruagem
Pelo vento sendo levada
O baile estava animado
Com a lua se achando
Parecia a dona da festa
Cercada pelas estrelas
Toda cheia de si
Estava cheia de fases
Em sua roupa nova
Crescente de orgulho
Achando os outros minguantes
Passou na frente da nuvem
Querendo ofuscá-la com seu brilho
A nuvem ficou irritada
Virou  logo uma tempestade
Setas de relâmpagos voaram
Fazendo um temporal 
O vento veio logo ajudá-la
Circulando com ela 
Ia de lado ao outro 
Cobrindo o salão de brumas
Encobrindo o brilho da lua
Refletido em todo o céu
As estrelas envergonhadas
Esconderam-se na escuridão
O sol compadecido da lua
Chegou cheio de pompas
Dissolvendo com seu brilho
O volteio da madrugada
Deixando assim 
A nuvem magoada
Que se dissolveu em retirada
Despindo a roupa do baile.




A melancolia vestiu de amarelo


A melancolia vestiu de amarelo
 Gerada no útero do tempo
Nasceu uma tarde melancólica
reflexiva
Passeia por ai
Não fica parada no tempo
Por onde passa deixa saudades
Corações batem pelo vazio
De algo que já não tem
...
Depois de um dia quente
Debruça-se na janela do tempo
Espalhando cores flavescentes
Entre tons alaranjados
entremeados 
D&
Ouro e dourado
Às vezes 
Sem pressa de ir embora
Arrasta-se até o anoitecer
Quando finalmente se vai
Cavando fundo no peito
A dor da saudade.