REVELAÇÃO

"Hoje,

Caminho de mãos dadas

Com a felicidade.

E uma enorme vontade de viver...

Sem partida, nem chegada.

Somente uma viagem..."

May Lu

"Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama,

Acorda e põe sua roupa de viver."

Clarice Lispector

"Porque metade de mim é partida

Mas a outra metade é saudade"

Oswaldo Montenegro

cultivando flores

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."
O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distancia. (May Lu)

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O eco do meu silêncio


Há dias em que o meu silêncio é eco mais alto
 Do grito que a minha alma pode dar.
A felicidade? 
Está em algum lugar onde haja sol.
Com um certo amargor na boca
Vejo que o tempo passou rápido demais.
Restando-me somente as lembranças
Um instantâneo para meus dias nublados.
As imagens vão chegando...
Fotografias tão presentes na minha memória.
De algo ou de alguém que ascendeu as minhas cores.
E uma espécie de centelha
Rasga-me o cinza melancólico.
Numa paisagem simples...
Que me ultrapassa a alma 
Em cores bucólicas.
Então ouço a voz do meu silêncio:
Ainda há tempo...
O céu nunca tem as mesmas cores.
E as nuvens jamais permanecem num mesmo lugar.


A voz do coração


Ontem eu fechei os olhos
Precisava olhar nos olhos de Deus
E pedir-lhe uma benção...
 Através dos seus sete olhos
Que a tudo vê!
E pela falta da possibilidade 
De estar olhando nos olhos do meu filho
Que minha visão excedesse o tempo
À distância...
Encontrando assim o olhar do meu filho
Voltado para o meu
Senti uma luz vindo de dentro de mim
Que me envolvia
E ultrapassava as barreiras
Então olhei dentro dos seus olhos
No âmago furacão de sua alma
Vi tantas perguntas sem respostas
Muitas das quais eu também não às tinhas
Eu sei que da vida muitas coisas eu vivi
E que muitas das minhas dores
Eu resolvi num abraço, no braço
Em silêncio ou no grito
Compreendi que não sou fraca 
E nem feita de aço
Sou apenas eu, a mãe, a filha
A irmã, a esposa... A vida!
Sendo vivida
A minha bagagem é esta...
Que o amor e dor andam de mãos dadas
O amor custa lágrimas, mágoas
E muitas vezes amamos só... Em solidão
O amor custa caro
Custa sangue!
Foi esse o preço que o filho de Deus pagou
Por amar-nos tanto
O amor é doação!
E são poucos que estão dispostos a pagar por ele
Com cuidado, proteção e perdão
Só quando a humanidade compreender isso
A felicidade não será uma mera passageira
Os momentos de paz não serão tão fugazes
Mas enquanto isso vou indo!
Caminhando, seguindo...
Tentando aceitar do tempo as suas definições
Da tão esperada felicidade!
E que longe ou perto
Estou e sempre estarei
Com o meu olhar sempre fixo no dele
Espero que ele me tenha compreendido
Que às vezes é melhor calarmos
Para ouvirmos a voz do coração
Somente ele pode nos guiar ao caminho...
Que há de ser seguido.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Equilibrista


Se os teus dias estão nublados
E acaso a tempestade persistir
Dance na chuva.
Todavia se não sabe dançar
Rodopie, cante, ria...
Simplesmente sinta intensamente.
Traga o enlevo à alma
Abra os braços num abraço...
Banhando-se em águas límpidas.
Mormente entre uma nuvem e outra
Acalma-se o céu.
E de pingo em pingo escorre-se...
A dor, a solidão, a angústia.
De cada parcela sentida.
Pois todo sentimento há de ser vivido.
São todos fachada de uma mesma vida
Para que ela não se reduza a opacidade.
Esse é o grande mistério...
Permitir-se equilibrar no tempo.

domingo, 21 de outubro de 2012

Meu sorriso clichê



Quem me vê com esse sorriso abraçando todo um mundo
Às vezes se engana.
Só aqueles que já despiram meus sentimentos.
Tiveram a oportunidade
Quase sem querer
De enxergarem-me um tão explícito inverno.
Desembrulhando-se por trás da minha face.
Portanto para alguns é bem mais fácil supor…
Poxa, como ela é feliz!
Apenas para ficarem com a boa impressão.
Pela conveniência de não lhes terem aos olhos
Uma alma vulnerável.
Por que se importariam?
A minha ferida não lhes doem.
sangue a escorrer-me não lhes tinge de escarlate...
O perfunctório dos corações.
E supostamente me retribuem o sorriso
Sem fitarem-me o olhar.
E eu da minha parte lhes poupo de tal embaraço
Ao usar esse sorriso quase clichê no rosto.


Porquê ser feliz em doses?


Às vezes é tão difícil insistir em alguém
Acreditar em possibilidades...
Enxergar até quando nossos olhos dizem não.
E a realidade mostra-se de uma forma tão clara.
Fico a perguntar-me
Se não seria melhor abrir mão...
E deixar de cultivar o sofrimento
Por que ser feliz em doses?
Persistir em algo que vai doer muito mais depois.
E brigar por um sentimento onde não existe abrigo...
Plantar sementes em solo infértil
É machucar toda nossa essência
Alimentando o que não se tem esperança.


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Quando sopra o vento


Quando sopra o vento 
A sensação é que desloco junto com ele
Translado meus abismos profundos
Perdidos e mil vezes achados
É quando se abrem as cortinas
Ora a mulher gloriosa
Florida, transparente
Ora a outra solitária
 Perdida, carente
Ora ri, ora chora...
A mulher em tons de aquarela
A outra sem rima nas cores
De um lado a alma sem véus 
Do outro a máscara obscura
Fragmentos de uma alma partida
E quanto ao amor?
Entrego-me...
Sou eu por inteira, verdadeira.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Agradecimento à poesia... A mão de Deus



Hoje?
Só quero agradecer...
Aos roseirais  com seus galhos entrelaçados
E a delicadeza das cores das suas flores 
Há embriagar-me com seus aromas
Lentamente divago...
Embarco no caminho das nuvens
Que me oferece os voos
E timidamente bato minhas asas
Perambulando pelo firmamento
Com o olhar sempre adiante...
Minh'alma conversa com as estrelas
Encanto-me pela lua, tão cheia de segredos
A brilhar na escuridão
Tantas madrugadas!
Orvalhando minhas manhãs
Em frenesi rodopio aos primeiros raios do sol
A derramar calor aos corações dos homens
No vencer...
... No perder!
Despindo suas almas, escoltando seus sonhos
Quanto céu!
Hoje?
Quero agradecer ao gozo dos ventos
Em idas e vindas
A trazer-me mistérios
Fazendo-me cavalgar as ondas do mar...
Repartindo, compartilhando 
Sua imensidão,
O mais puro lençol de cetim
Tanto mares!
A dádiva das estações do tempo
Onde a vida começa...
... Termina
Eclodem em uma combinação de cores e sons
Arrepio-me...
Ao bailado colorido das aves 
A imponência de seus movimentos
Cortando os céus
Ah! Como me emociono...
Com as cores da magia 
Do balé das borboletas
Nas janelas da minha vida
 Terra! Abençoada morada.
Onde entalhei o meu ninho
Bendito universo... Mão de Deus!
Hoje agradeço
Por me ensinar poesia.

Viagens em teu jardim


Hoje há somente afagos em minhas mãos.
Trago-as molhadas de orvalho
Para que nunca deixam de florescer.
E suavemente amanheço poesia.
Meus pensamentos sobrevoam
A imensidão do tempo.
E cá estou eu.
Devaneio...
Passado, presente e futuro.
Divago em rimas e estrofes.
Palavras ganhando vida... Minha essência
Em viagens de idas e voltas.
E aqui em teu jardim
Faço-me brisa a desfolhar as tuas rosas.
Que se descortinam em idílio.
Embaralhando no ar doce perfume...
 Fragrâncias que recolho
Para o meu aconchego inspirar.
Um interlúdio de sentimentos
Onde se sobrepõem os pensamentos de um poeta.

domingo, 7 de outubro de 2012

Os mistérios da noite


Os meus sonhos deslizam pela madrugada
A lua prateada é minha anfitriã
Oferece-me o seu brilho 
Em forma de poesia.
E assim as cortinas do tempo desvelam... 
Formas e movimentos
Sonhos, luz, aragens, escuridão
... A magia, a cena.
Que emoldura sentimentos e emoções.
Os mistérios da noite ficam expostos...
Às janelas do mundo
Mestre em devaneios.
Fico ali esquecida...
Adormecida pelo sussurrar dos ventos.
Ouve-se apenas a serenata...
O som que vem e ecoa do coração.
Em suaves carícias a brisa noturna
Vem repousar em meu leito.
Até que o crepúsculo me presenteei com sua chegada.


sábado, 6 de outubro de 2012

Banhei-me em dilúvio d'água


 Dos escombros da minha loucura, renasci
Rasgou-se o céu em nuvens 
E banhei-me em dilúvio d'água
E foi sob a chuva fria 
Que descortinei minhas retinas...
Irrompi o nevoeiro que me encobria à alma
Sou ilha banhada de águas límpidas
Despida da roupagem do passado
Vislumbro novas matizes
E sobre a placidez cristalina
Mergulho o meu olhar...
 Nos recônditos encarcerados do meu inconsciente
A solidão é a primeira a escorrer
Traçando trilhas na face do tempo
Limpando as lembranças já mofadas
Quero manchar de cores primaveris esse aguaceiro
Estou preparada para gritar de peito aberto
E ser flor na imensidão destes mares
Quero dançar sob a lua e as estrelas
Fazendo a viagem pelos labirintos
Da mulher que há em mim.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Voo esperado


Antes de você...
Eu tinha tantos sonhos adormecidos
Cá dentro
Eu sentia que tinha asas
Mas não sabia voar
Como podia?
Uma ave que não voa...
Eu podia ver as plumagens
Mas a minha alma não sentia as penas
Bendita conspiração do universo
Que escreveu o nosso encontro
Um precisava do outro
De um lado eu temerosa
Cheia de medos e anseios
Do outro você...
Alma sofrida, marcada pela desilusão
Mas que trazia a esperança nas mãos
E na resistência do seu tronco
Foi onde me abriguei
E eis que todo meu ser
Alçou um suave bailado
Lancei-me na plenitude
E voarei... Até onde os sonhos me levarem.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Trago as emoções dentro das mãos


Trago as emoções dentro das mãos
Laços unem-se... 
À espera do aconchego
Conciliam afinidades adormecidas
Formam elos esquecidos
 E uma infinitude de sentimentos
Revive na memória
Anseio... Sem pressa
A mais pura semente germinar
Cultivo-a bem no seio
Atento a grandiosidade do ciclo
Encerro entre os dedos
Tantos sonhos
Tantas crenças 
Embalo o clarear da madrugada
E irrigo a vida
Acolho sabores de uma alma
Preparo-me para um amor
Que me desvende
E desvele os delírios em minhas mãos...
Nus, sem véus, transparentes
A poesia d'minha alma adormecida
Cultivada em solo fértil
Para em vários tons desabrochar
Então, espero, definitivamente
Por um canteiro matizado de cores.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Desatino amargurado


Eu vi uma lágrima passando
Deverás ia em silêncio
E não quis dizer-me de onde vinha
E nem para onde se dirigia
Logo mais passou por mim o sorriso
E sua alegria havia desaparecido
E diz-me que a lágrima ia só
Porque o brilho dos olhos tinha perdido
Então quis saber do sorriso
O porquê do seu riso contrito
Ele disse-me ter visto no espelho
Pálido e exposto
A dor no olhar refletido
Do coração que estava em desgosto
Desatino amargurado de uma alma que cala
E deságua o sofrimento em lágrima.

Tu foste o meu sonho sem aviso (Tim Jertberg)


Tu foste o meu sonho sem aviso
Um estranho que abrigou os meus prantos
 Então compreendi que o destino une e separa
 E revivi quando tuas palavras acariciaram minha alma
Devolvendo-me toda a tranquilidade 
E felicidade que eu havia perdido
Num encontro...
O transbordo de duas almas
Que se encontravam fragilizadas
Suavemente te senti e te amei
Então a vida me sorriu de forma generosa
 E finalmente desnudei-me em sensibilidade e paixão
Revelando à ti a minha essência
Hoje?
Só quero o direito de ser feliz
Quero a paz...
Sem a realidade da vida a roubar-me o sorriso.


terça-feira, 2 de outubro de 2012

oh saudade!


Ah saudade!
 Só quem amou
Sabe onde você mora
Aprendeu a eternizar
Esse sentimento em si
Oh saudade!
Tu és a miragem de um milagre 
Muitas vezes impossível
Um sentimento que nem sempre o olho vê
Porém de uma alma que muito te sente
E enquanto estiver lá...
É permitida certa melancolia
Tempos?
Passado, presente, futuro
A senhora lembrança...
A suave ou dolorida recordação
De algo ou alguém que se deseja de volta
É a nossa história.



segunda-feira, 1 de outubro de 2012

A esperança é uma criança


Procuro em mim 
A criança que ri inocente
Do brilho distante das estrelas.
Na imensidão da minha solidão
A criança se perdeu...
Porque insisto em seguir?
Quiça o direito de ser feliz!
Dentro de mim existe...
A criança que ainda não viveu.
Até que eu encontre o caminho...
...o retorno à inocência.
Ofereço-me estrelas...
Que me caem pelos olhos!
Uma constelação especialmente para mim.

  

Folha seca


Ainda que seja outubro
Eu já espero pelo outono
A bater-me nas janelas...
Espero pelos ventos
Despindo as copas das árvores
E nuvens de folhas claras e escuras
Cobrindo todo o chão
Espero pelo sorriso do sol
Em pequenos raios
Abraçar as montanhas
Sob um horizonte manchado de nuvens
Em vários tons de cinzas
Assim, encostada a janela
Fico a espera...
Fico ali até o cair da noite
Sozinha com uma folha seca
Agarrada às costas
Esperando pelo renovo.