REVELAÇÃO

"Hoje,

Caminho de mãos dadas

Com a felicidade.

E uma enorme vontade de viver...

Sem partida, nem chegada.

Somente uma viagem..."

May Lu

"Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama,

Acorda e põe sua roupa de viver."

Clarice Lispector

"Porque metade de mim é partida

Mas a outra metade é saudade"

Oswaldo Montenegro

cultivando flores

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."

"Alguns procuram a felicidade, outros a criam."
O que é bonito tem vínculos dentro do tempo e da distancia. (May Lu)

sábado, 31 de março de 2012

Amo de olhos vidrados


Amo como criança
De jeito simples
rasgado
Sem medo 
Sem segredo
Amo de olhos vidrados
Sem restrições
Sou criança crescida
Que ainda chupa pirulito
Masca chiclete
Fazendo caras e bocas
Estourando bolhas no rosto
Mas não deixo de crescer
Sai a criança 
Chega a mulher
A esposa
mãe 
Companheira...
Cheia de cuidados
De amor
Amando como 
Mulher-menina que sou
ou 
Menina-mulher
Não preciso entender
Só preciso amar como criança.

A vida lhe sorri


Hoje ela se encontra totalmente livre
Distante de estereótipos
Longe da massificação
Dá asas ao ser livre
original
Cabeça aberta
Mente cheia de novas janelas
Todas abertas para a vida
Ela que já teve tantas amarras
Tantos limites
Segue sem medo
Sem apego...
Despreocupada dos julgamentos 
Vive hoje quem realmente é
Livre daquela que fora um dia
A vida lhe sorri
Aqui e agora
Seu momento...
Ela olha para o céu e agradece
Essa paz que Deus lhe deu.


Avançando lentamente



Ela vai andando em sua direção
O caminho está decorado
Ornamentado de lindas flores
Vermelhas de um sangue rubro
Amarelas flavescentes
Brancas imaculadas 
Em meio a tantas hastes
Há botões fechados
Adormecidos no ventre
Outros entreabertos
Desabrochando para vida...
Toda a emoção comprimida
Em meio a tanta beleza
Impregnada pelos perfumes
Segue em frente
Avançando lentamente
enquanto
Uma composição musical
Chega-lhe aos ouvidos
Um conjunto de sons
harmoniosos
Executados com doçura
E suavidade
Em grandeza
Pela orquestra da natureza
embevecido
Ele permanece imóvel
À espera.



os olhos estampam a loucura


A indumentária estava-lhe um tanto apertada
Parecia que faltara panos 
Quando confeccionada 
Ou quem sabe, 
Seja vestuário que a outros cobriram
Pertences que lhe foram passados
Para lhe aquecer do frio
Proteger-lhe a pele do calor
Cobrir-lhe aos olhos da humanidade
Olhares de desdém
curiosos 
Que nada fazem além de sentirem asco...
As suas mãos pareciam galhos secos
Saindo para fora das mangas
Como um espelho
Demonstrando-nos a fome de décadas
Por entre os dedos finos de unhas sujas
Escorreram a esperança
A bem aventurança
Mãos trêmulas que já não tem mais força
Tentam ocultar-lhe o rosto
Em desvario
Os olhos estampam a loucura...

quinta-feira, 29 de março de 2012

O tempo não para



As flores na janela
Estão viçosas
Deveras
São regadas por lágrimas
Pelo choro da saudade
Debruçada sobre elas
É onde permaneço
Açoitada pelo vento
Perdida dentro do tempo
Absorta
À espera
Quiçá
Que tu voltes
Como uma brisa mansa
Despertando-me a aurora
No entanto 
O tempo é implacável
Passa os dias
De mãos dadas
Com as noites
Embalando os meus sonhos
Fugidios e furtivos
Que levam-me a esperança
Enquanto o jardim 
Segue florindo.

Eu quero sempre mais

Bem lá no fundo tu sabes
Que eu digo não quero
Ávida de tanto querer
E que só um beijo ao luar
Já basta
Para que eu me perca
Dentro de ti
Um suspiro
Que me escapa
Braços que me acolhem
Cálidos olhares
Que se encontram
Despertam meus sentidos
Paixões que me invadem
Quebrando o silêncio
Da alma
Apenas um beijo
Lábios famintos
Molhados
Sons de outrora
Únicos
Que falam
A única linguagem
Que nunca muda
Gritam mudos
Silenciados
Pela fome
Sedentos
De mais e mais
E a cada vez mais...
Querer sempre mais
Nunca é demais!


Entrelaçados


Segure-me
Dentro
No centro
Dos teus olhos
Eu me rendo
Cativa-me
Com teus beijos
Teus desejos
Prenda-me
Firme
No tronco
Amarre-me 
Corpo e alma
Ata-me
Pelos dentes
Laço ajustado
Rubro...
Feito de sangue
Elos de um nó
Apertado
Atado ao coração.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Agradeço de coração




Obrigado por ter-me aceito como esposa
Pela confiança e proteção
Pelo carinho que me proporciona
Agradeço por sua dedicação à nossa união
Por cada momento que passamos juntos
Pelo tempo devotado a mim
Aos meus
 Tornando-se nossos
À nossa felicidade
Agradeço por sua compreensão
Tolerância com meus piores defeitos
Ensinando-me a lapidar a paciência
Esculpindo assim a serenidade em nosso lar
Agradeço por sua gentileza
Por me fazer sentir amada
Em cada gesto demonstrado
Num agrado... Num afago
Por todo o carinho dispensado
Para me fazer feliz
Agradeço por ser sempre presente
Mesmo quando estás ausente 
Pois sei que me levas contigo
No intimo do teu coração...
Agradeço por achar que eu mereço
Um lugar na sua vida
Partilhando-a comigo
Tornando-me uma amiga
Companheira de caminhada
Participando-me de suas alegrias
Suas tristezas...
Seguindo juntos na mesma estrada
Agradeço por me ajudar a prosseguir
É bem mais fácil caminhar de braços dados
Segurar em mãos que me direcionam
Encostar em ombros que me apóiam
Sustento de todas as horas
Agradeço por ser meu esposo
Minha bússola e minha âncora
Por estar sempre ao meu lado.

segunda-feira, 26 de março de 2012

O verbo amar


Amar é olhar mais atentamente
É reconhecer o belo na "fera"
reconhecimento
Que só existe aos olhos de quem ama
Amar é  ver a imperfeição do outro
 E aprender a conhecê-la 
Até enxergar a verdade
Que mesmo ninguém sendo perfeito
Só se chega a "perfeição" amando
Amar é assimilar a grandeza
Nos atos mais pequenos
É sentir o perfume de uma pétala
Sem necessitar de um ramalhete
Amar é quando alguém lhe fere
E mesmo ferido você não revida
Pois sabe que vai lhe ferir a alma
É ter força de se superar
Aguentar calado
Quando sua vontade é de gritar
Amar é uma doação de sentimentos
É um complemento ao outro
Não uma barganha
É dar sem esperar 
É ver a alegria nos olhos de quem recebe
 E fazer desta sua própria felicidade
Amar é saber perdoar
Absolvendo do outro o peso da culpa
Sem crucificá-lo primeiro
É fazer de um erro
Laços fortes em um relacionamento
Amar é se surpreender com apenas um toque
 De um olhar preso num sorriso
Um momento retido 
Para sempre na lembrança
É a capacidade de estar em si
Doando-se à outro
Isso é sentimento
Conjugado no verbo amar...

domingo, 25 de março de 2012

Embriagada na saudade


Lá estava ela
Passando dias e noites
Á espera...
Embriagada na saudade
Novamente esperando ele ligar
Pegar no telefone só pra conversar
Falar que estava com saudades
E dizer que pensou nela
Começar com uma conversa 
Dizendo-lhe que se importa
Lá estava ela sempre a esperar
ansiando
 Vê-lo entrando pela porta
Deixando-a toda perplexa
Pela surpresa inesperada
Esquecida que vive esperando
Com ele sempre chegando
Entretanto a vida termina
Com ela esperando sozinha
Por alguém que nunca chegou.


Silenciosamente me entrego


Hoje você chegou
De novo...
Quero dizer
Você sempre voltou
Depois  que me deixou
Então talvez chegue um dia
Que você não volte
O dia em que eu me perca
Dentro ou fora do tempo?
Plumas levadas pelo vento
espalhadas
 No meio do caminho
Ave que perde o ninho
Em que não me reconheço
Finalmente me esqueço
Ou 
deverás
Será um novo começo
E corro a me procurar
Na esperança de me encontrar
finalmente
Com minha personalidade
Em paz
Com minha individualidade
Onde não me nego
Silenciosamente me entrego
Em equilíbrio... balanço
Abro os braços e danço.


O palhaço


Ele vem cavalgando
Num cavalo de vassoura
Sorriso pintado no rosto
Fazendo crianças rir.

Más se olham mais fundo
Verás as lagrimas
Descendo no rosto
Do palhaço solitário.

Quantas pessoas não vêem,
Nem tomam o tempo
De procurar, de saber...
Das vidas dos outros.

Preocupações
Tristezas
Mágoas
Percas.

Que andam palhaços,
Sorrindo, brincando...
Fazendo-nos rir
Más tristes e só.

O porteiro do condo,
Quem serve café,
Zeladora, secretária
Pessoas sem rostos.

E quando a vida
Traz-me dores e mágoas;
Eu pinto um sorriso de óleo
E viro palhaço.


( Timóteo Jertberg )

sábado, 24 de março de 2012

Fugidia Ana luiza


Ana luiza é uma linda mulher
Porém se esconde 
atrás 
Dos seus imensos olhos tristes
Sem prestar nenhuma atenção
À graciosidade das borboletas 
De (seu) jardim
Não sente ao cheiro agradável 
 Que  lhe chega do campo florido
Anelado pelo vento
Deixa no ar um rastro adocicado
Do mais suave perfume
Impossível de ser embalado 
Silenciosa dentro do seu mundo
Não percebe a brisa fresca
Que balança e refresca
As delicadas flores amarelas
Nem apetece do delicado colibri
Pousado em um pequeno raminho
Parecendo fitá-la sem compreender 
Como alguém pode ficar estático
Diante de tanta beleza
Raios quentes de sol
Viajam por toda sua pele
todavia
Permanece fria dentro de si
É apenas um corpo largado
Alma perdida em cores
Entre as flores de outros dias
De tardes fragmentadas
Que entre formas e nuances
Exibem-lhe lembranças
Dos seus antigos amores 
entretanto
Toda a natureza conspira
Aguardando o instante 
Em que ela possa voltar
 E que destranque a porta
Fugidia Ana luiza.


sexta-feira, 23 de março de 2012

Primavera


Hoje posso olhar para o passado
Olhar dentro dos olhos
E ter uma serena visão...
É-me primavera
Depois de um rigoroso inverno.
Venho de tormentas violentas
Feito nau a deriva.
Porém cheguei a salvo.
De minhas dores 
Fiz o transporte para o cais.
Cheguei renovada
Descansada de todas as lastimas.
Cheguei abraçando minha paz
Minha gente
Minhas flores
Meus amores
Corações do meu jardim.
Encontrei a emoção perdida...
Tudo tão certo
Tão perto.
Ao alcance das mãos
E do coração.
Bastou agarrar sem medo
De ficar.
De acreditar
Que eu podia e devia ser feliz.
Devo dizer 
Que em algum lugar do passado
Eu plantei as sementes
Que hoje são rosas no meu jardim
Os espinhos?
Ainda existem
Fazem parte do roseiral.
Entretanto não me ferem mais
Tenho as mãos calejadas.
Foram anos de prática em jardinagem...
 No entanto trago elas perfumadas
De todas as estações vividas.
Cheguei finalmente à primavera.


Riacho doce


O riacho ao fundo do quintal
Era meu refúgio
Minha doce lembrança
Das minhas horas de fuga
 Onde deixava meus farrapos...
Minhas dores e medos
Escorriam em suas abundantes águas 
Levados à quilômetros de distância
Pelas copiosas correntezas 
Balançando suas crinas
Eu me via no reflexo espelhado das águas
Eu quase me reconhecia 
Em meio aquela visão deslumbrante
Entre os musgos e peixinhos
Em minha iminente sanidade
Divisava um meio-sorriso no canto da boca
Um brilho fugaz me iluminando os olhos
Num reencontro comigo mesma...
Mais serena e mais forte
Eu retornava em silêncio 
Caminhava para casa
Para estar novamente
Cara a cara com meus demônios.

quinta-feira, 22 de março de 2012

Uma oração


Hoje eu faço um pedido
Uma oração...
Que minhas esperas
Tornem-se águas tranqüilas
De margens plácidas
Pois entendo
Que minhas buscas
Iniciam e terminam em mim
Mesmo que eu não saiba 
Aonde chegar
Eu quero é chegar
Pois em cada tradução que vivo
Procuro ser a melhor idealizada
Portanto se aprendo eu cresço
Continuo fazendo a travessia
Mesmo sem saber o me espera
Ainda assim
Transponho as pontes de mim
Sou eu do outro lado
Sentinela à espera
Uma chega, a outra vai
É-lhe o tempo...
De despir os trajes das personas
 Todavia contenho umas teimosas
Que querem grudar-me a pele
Contudo preciso desapegar-me
Para poder edificar-me
Deste modo
Trava-se uma violenta luta 
Quase de vida ou morte
Onde me sapateio 
Para poder libertar-me
Droga!
Sou eu...
Machucada
Humilhada
Porém preciso ir...
Para descobrir-me além
É preciso perdoar-me
Para continuarmos felizes
Sob o mesmo abrigo
Fazendo as mesmas refeições
Pratos feitos
De esperança
Quentes ou frios
Tem porções
 De confiança
Fé e amor
E sempre volto ao meu estado
De quase sanidade
Sendo mais equilibrada
Reconheço-me 
Em todas de olhos fechados
E compreendo que do outro lado
Sempre haverá um reencontro
Com uma do passado
Assim sendo...
Que cada uma de mim
Saiba o tempo exato
Da partida e da chegada
Que tenha sabedoria
E paz na travessia.

quarta-feira, 21 de março de 2012

Preparado para o amor


Concordo e discordo
Que nem sempre o sentido
É o que se deveras ser concluído,
Falar sobre a solidão,
Decifrar a dor...
Será que devo dizer  
Que estou melhor sozinho?
Não quero estar mal acompanhado
Mas não me sinto muito bem só.
E ainda que eu queira todo o isolamento
Sinto falta de outra alma
Junto a minha,
De sorrisos descobertos,
Um abraço apertado,
Corações batendo descompassados,
Loucos...alucinados,
Sinto falta da paixão!
Estou correto agora em dizer
Antes mal acompanhado do que só?
Diante de tudo que já passei
Aprendi a superar
Medos,receios,anseios
E fracassos por buscas,encontros
 Que não me pertence,amores alheios.
Tantas decepções
E dias de melancolia,escuridão,
Que em meu coração
Habitava a melhor amiga
Do homem solitário,
A solidão!
Hoje tenho em mim a dose exata
Do aprendizado
 Adquirido na convivência
Com águas profundas de revolta...
Conflitos
Que transbordaram
Em forma da carência
De querer me amar mais,
De sair
Desse abandono de mim mesmo,
Portanto tenho em mim
O que necessito para a cura,
Acolhendo-me de braços abertos,
Aceitando-me com meu erros,acertos,
Estou me perdoando,
Despedindo-me da solidão,
Voltando para a vida que perdi...
Estou preparado para você,
Amor!

( Matheus Rodrigues Aguillar Gera )

segunda-feira, 19 de março de 2012

Vou cavalgar com o vento


Vou cavalgar
Soltar a alma no vento
Antes de o tempo chegar
À beira...
 Vou Correr o mundo
Sem saber aonde vou
Vou cavalgar com o vento
 Junto às estrelas no céu
Respirar os vendavais
 No profundo
Dos sentimentos
Vou escapar
E fugir como o ar
Por uma fresta rasgada
 Pela luz
Que vaga 
Dos Brilhos do dia
 Quero ter o calor 
O fulgor
Do corpo da lua
Do brilho do sol
Roubar o alento da brisa
E cavalgar com o vento
Ir além...
Deixo as peças espalhadas
Na mesa
 Outro alguém
Talvez as hajam de jogar.
 

Preciso voar


Queres ganhar o mundo
Entretanto mantêm-se fechado
E o que lhe cabe é muito pouco
Pedes-me um tempo
Para poder colocar o pé no chão
Porém eu não tenho tempo
Preciso voar
esqueces
Que o chão podes nos faltar
 E que temos de manter os braços abertos
Estás sempre nesse vai e vem
Em zoom
Aonde não me cabe
Não me sei dividir
Não sei estar presa num trapézio
A balançar...
Quero voar
Sem rede
Mas bem sei que se cair
Posso quebrar-me
E nem tudo que quebra
Volta-se a colar
entretanto
Não haverá tempo
Para chorar minha dor
Estarei voando
Num voo derradeiro
Todavia não terei medo
Pois o que se mata
É não atravessar o dia
É não ver o que esconde a noite
É não sentir o vento
Ouvindo-o passar
É não sentir o peito rasgar
Ardente e quente
E um coração acelerado
 descompassado
A bater nas alturas
É não voar...
É viver sem ter vivido
É querer o mundo de mãos fechadas.

Eu trago-te comigo


Lá fora
As pessoas fingem
Fogem a verdade
Tentam preencherem o vazio
Escondem-se atrás dos sorrisos
Enquanto brindam
dançam
 Divertem-se
Fingindo uma liberdade
Que na realidade não existe
Estão presos à inquietação
Ao medo
De se olharem no espelho 
E admitirem que a vida seja mais 
Que encontros vazios
entretanto 
Fui lhe descobrindo 
Entre os sonhos meus
E pouco a pouco
Eu lhe abri a porta 
agora
Eu trago-te comigo
Cada sorriso teu
Cada momento
Passados juntos
E lhe conservo junto a mim
Um amor
Que a vida toda procurei
Guardado só para ti
Eu sinto muito 
 Muito sua falta...
Porém
Trago-te comigo
Sei que o caminho só é feito
Para quem quer amar
Não importa o quanto
Celebram-se vitórias
Ou derrotas
O importante é 
Que não sejamos sombras
Com medo de acreditar
 Nos sentimentos
De viver...
Dando vazão as emoções
Não se deve temer a direção 
Dos ventos
O tempo...

domingo, 18 de março de 2012

Um velho Cansado

Um velho
Cansado... Sentado
 Olhar parado
Triste...
Olhando o relógio do tempo
 Que gira cada dia mais devagar
atento 
As horas que ainda lhe restam
 Refugia na solidão
Mergulhado em recordações
Parece só ouvir o tic e tac do relógio 
Dizendo que não há mais tempo
Para sonhar...
Tantas gentes passam por ti
Perdidas em seus próprios mundos
Vivendo sonhos 
parecidos
Ou mesmos iguais
Aos que um dia já foram sonhados
Por ti
E te olham com desprezo
Parecem fugir da visão
A imagem do abandono
De quando forem como tu
Um velho esperando o fim...
E serão outros ocupando o velho banco 
No jardim da vida...

Eu sou igual a ti


Vem...
 abraça-me 
Levanta os teus olhos
Olhas para mim
Cá dentro
Procuras onde me escondi
confesso
Que tenho medo
De dar a ti
O que tenho guardado
No profundo
Tudo que tento salvar
entretanto
procuro
E espero por ti
Estendo minha mão até te tocar
Abra-me a janela
E vem me encontrar
Desde muito longe que sei 
Que és a minha cura
Sei que se sente confusa
Nesse meu labirinto
Sem rota
E que também tem medo
De sair do fundo
Que em cada canto escuro
Tu és igual a mim 
E em cada rumo que procuro
Eu sou igual a ti
Alma de dona
És tu em mim
caminho
Que preciso caminhar...